Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CINEBLOG

CINEBLOG

Porque é que comemos pipocas nas salas de cinema?

É impossível olhar para as pipocas sem pensar imediatamente em cinema. Para o bem e para o mal elas tornaram-se sinónimo de filmes, ou pelo menos, de entretenimento e a sua relevância cultural é inegável.

Mas e se vos dissesse que se não fossem as pipocas, os cinemas tal como os conhecemos poderiam já nem sequer existir?

No vídeo desta semana falo sobre pipocas e porque é que são tão importantes para a manutenção das salas de cinema.

Vídeo disponível no sítio do costume.

(este vídeo faz parte de uma colaboração em 2 partes que fiz com o Chefe Jamon. A conclusão, que inclui uma receita de pipocas para fazer em casa, pode ser vista no canal de YouTube do Jamon)

O filme que indignou Portugal

 

Em setembro do ano 2000, chegava às salas de cinema portuguesas um filme que se iria tornar, durante semanas, no tema central de muitas conversas de café.

O título, à primeira vista, não podia ser mais inocente. “Branca de Neve” era um clássico infantil reconhecido por praticamente todos os públicos, mas a obra que chegou às salas estava muito longe do conto que todos conhecemos ou não estivéssemos a falar de um filme de João César Monteiro.

Neste vídeo vou revisitar a obra que, mais de 20 anos depois, continua tão provocadora como no primeiro dia e, com a ajuda de parte do elenco, vou tentar perceber quais foram as razões que estiveram na origem da inusitada opção estética de João César Monteiro.

 

Uma viagem até ao Estranho Mundo de Jack

Em 1993, O Estranho Mundo de Jack (ou Nightmare Before Christmas na versão original), mostrou-nos que as épocas festivas são muito mais do que datas no calendário e apresentou-nos um mundo mágico e cheio de vida (ou morte) que viria a conquistar definitivamente o imaginário coletivo. 

Passados todos estes anos, o filme continua a fascinar pela utilização exemplar do stop motion e pela riqueza das emoções que consegue transmitir em cada pormenor.

Hoje em dia é impossível chegar a outubro sem nos lembrarmos, nem que seja por um momento, daquele esqueleto alto e esguio que em plena crise de meia idade, e apesar das boas intenções, quase destruiu o Natal.

Nesta noite escura e tempestuosa, acompanhem-me numa viagem às origens do filme que viria a unir para sempre o Halloween e o Natal.

O vídeo está disponível no sítio do costume.
 
Passem por lá, cliquem no like, comentem, subscrevam e partilhem (se gostarem, obviamente). Este vosso amigo que vos escreve ficar-vos-á muito agradecido.

Uma breve história da animação portuguesa

 

Agora que chegámos a setembro, está na hora de voltar aos vídeos, desta vez para falar de animação portuguesa, daquela bem velhinha que quase ninguém se lembra.

Neste vídeo vamos viajar até aos primórdios da animação portuguesa e acompanhar a evolução do género, desde as primeiras experiências até às primeiras séries animadas, sem esquecer a importância que mercado publicitário teve no género.

Vídeo disponível no sítio do costume.

Isolados em casa? Saibam como ver cinema português na internet (legalmente)

O isolamento social preventivo é uma realidade inevitável (e aconselhável) para os próximos tempos, mas também pode ser visto como uma oportunidade para finalmente se conhecer melhor o cinema que se faz por cá no conforto das nossas casas.

O vídeo desta semana passa em revista as plataformas de streaming em que é possível ver cinema cinema português a qualquer hora e em qualquer lugar, isto claro, se tivermos um dispositivo com ligação à internet. E é tudo legal, obviamente.

Vídeo disponível no sítio do costume.

Siga-nos:

Blogue a 24fps que não necessita de óculos 3D. Online desde 2003.

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.